sexta-feira, 28 de julho de 2017

VOCÊ NÃO PODE PERDER O LANÇAMENTO DA EDITORA DO BRASIL : CLARO, CLEUSA.CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA (SÃO PAULO)



LANÇAMENTO:
CLARO, CLEUSA.
CLARO, CLÓVIS.
texto e ilustrações: RAQUEL MATSUSHITA
Editora do Brasil
40 PÁGINAS

LOCAL:
LIVRARIA NOVE.SETE
rua França Pinto, 97 Vila Mariana
São paulo / SP

DIA / HORÁRIO:
29 de JULHO de 2017 das 15h às 18h

PROGRAMAÇÃO:
Presença da autora RAQUEL MATSUSHITA e atividades para crianças

CLARO, CLEUSA. CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA - LANÇAMENTO DA EDITORA DO BRASIL



INDICAÇÃO: a partir 5 anos (pré-leitor) leitura compartilhada / 
a partir de 6 anos (leitor iniciante)

40 PÁGINAS

=====================================================================

O livro CLARO, CLEUSA. CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA,  publicado
pela  EDITORA  DO  BRASIL  é  um  livro  pra  lá  de  diferente,  pois  possui  uma
linguagem visual muito criativa e lúdica. 

Você é capaz de imaginar isto? A autora  usou figuras  geométricas  para criar os
personagens da história. Leitor, já pensou, alguma vez, numa história que fala da
da amizade entre um triângulo e um quadrado? Ah, segundo a autora, na história,
não há a intervenção de adultos.  Os personagens  (triângulo, quadrado e círculo)
são crianças.

No  livro  de  RAQUEL  MATSUSHITA,  CLEUSA  é  um  triângulo  e  CLÓVIS  é  um
quadrado e têm uma amizade perfeita. Mas, um dia, CLÓVIS  fica  doente  e surge,
então, uma  outra  personagem, chamada  CATARINA  (um círculo).  A chegada de
CATARINA trará problemas para a amizade de CLEUSA  E  CLÓVIS. De que forma,
os personagens irão vivenciar os conflitos que surgiram?

O  que será que estas figuras geométricas (triângulo, quadrado e círculo)  poderão 
nos ensinar sobre a amizade, o relacionamento interpessoal e sobre as diferenças?


ILUSTRAÇÕES / PROJETO GRÁFICO:


                                          CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA




                                            CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


A AUTORA:

terça-feira, 25 de julho de 2017

JOSEFINA QUER SER BAILARINA de CLAUDIA SOUZA e ALEXANDRE RAMPAZO (EDITORA DO BRASIL)

                                        SITE DA EDITORA: www.editoradobrasil.com.br

INDICAÇÃO: a partir de 8 anos (leitor em processo)

32 PÁGINAS

                                     SOMOS DO TAMANHO DA NOSSA FANTASIA.
                                                            Bartolomeu Campos de Queirós

=====================================================================

Neste livro, escrito por CLAUDIA  SOUZA e ilustrado por  ALEXANDRE  RAMPAZO,
vamos  conhecer   Josefina,   uma  menina,  que  passou  a pedir,  insistentemente,
para seus familiares: - Eu quero ser bailarina!
    
                          Há mais ou menos três meses, Josefina vinha pedindo
                           insistentemente pra "ser bailarina".
                           O pai dizia:
                           - Mas aqui perto de casa não tem nenhuma escola
                           de balé, Josefina!
                           A mãe dizia:
                           - Não tenho dinheiro agra pra pagar um curso
                           de balé pra você, Josefina!
                           A avó dizia:
                           - Essa menina vai ficar muito cansada, tão pequena
                           e já vai à escola, imagina se ainda tiver aula de balé.
                           O tio dizia:
                           - Melhor colocar num curso de inglês.
  
A  notícia  causou  um  certo  alvoroço  na  família  e levou  a  um  questionamento:
Josefina não teria mesmo um raro talento para dança?

Apostando na  ideia de  Josefina possuir, mesmo, o  talento para o balé,  os pais da
menina a matricularam em escolas especializadas, mas de nada adiantou. Josefina
não  fazia  as  atividades propostas  pelas  professoras  e por  isto,  não  conseguiu
aprender a dançar.

Por que,  então, Josefina  continuou  querendo  ser  bailarina?  É interessante, caro
leitor, observar como Josefina vê a vida e o que espera dela.

A vida é assim mesmo. Compreender o que acontece a nossa volta  e dentro de nós
mesmos é  muito  difícil. A  história de  Josefina  mostra isto. O que somos? O  que
queremos ser? Se  quisermos,  podemos  inventar ser  até quem  não somos. Basta 
lançar mão da imaginação. Se deixarmos o nosso imaginário  ocupar todo o espaço
da nossa fantasia,  podemos  ser o que não  somos: mágico, atriz, cantora, inventor,
poeta, cientista, astronauta ou bailarina como Josefina.  Por que não?


PROJETO GRÁFICO / ILUSTRAÇÕES:

                                             CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


Algumas considerações a respeito do projeto gráfico e das ilustrações:


ALEXANDRE  RAMPAZO  assina  o projeto gráfico e as ilustrações do livro
escrito por CLAUDIA SOUZA. 

A  narrativa  visual, de JOSEFINA  QUER SER  BAILARINA, vale  como uma
segunda história e revela  'vazios' que  devem ser  preenchidos  pelo  leitor.

As páginas  esquerdas  do  livro  se  contrapõem com  as  do  lado  direito:


- As ilustrações do lado esquerdo  representam o mundo dos adultos (pai /
mãe  / avó  /  tio /  professoras).  Eles  são  retratados,  pelo  ilustrador,  em 
tamanho pequeno, sobre fundos coloridos de páginas.

 - Já as páginas, do lado direito do  livro, foram reservadas  para  retratar o
mundo da personagem Josefina, que, em tamanho grande, rabisca passos
de balé , sobre o fundo branco das páginas.

ALEXANDRE RAMPAZO confidenciou à escritora CLAUDIA SOUZA, que foi

buscar,  no  pintor   impressionista  francês   Edgar   Degas  (1834  /  1917),
inspiração para criar as muitas ilustrações deste livro, retratando  Josefina
como  bailarina.  Degas usou  o tema  da  dança  em  grande  parte  de  seu
trabalho.

O projeto gráfico e as ilustrações são uma atração inegável e abrem espaço 
para o encantamento.

As  criativas  soluções  gráficas  encontradas,  por  ALEXANDRE  RAMPAZO, 
para este projeto, tornaram o texto do livro JOSEFINA QUER SER BAILARINA
muito mais atraente.





OS AUTORES:


     ASSISTA AO VÍDEO PREPARADO PELA EDITORA DO BRASIL E CONHEÇA
CLAUDIA SOUZA,  A AUTORA DO  LIVRO "JOSEFINA QUER SER BAILARINA". 




quarta-feira, 19 de julho de 2017

IMPERDÍVEL! ENCONTRO COM O ESCRITOR JOÃO CARLOS MARINHO NA LIVRARIA MARTINS FONTES PAULISTA (SÃO PAULO)

                                           CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


JOÃO  CARLOS  MARINHO  escreve seus livros especificamente para crianças 
de 8 a 12 anos. Sua obra é  considerada referência  na renovação da Literatura
Infantojuvenil brasileira dos anos 70, e ainda hoje, continua a deliciar crianças
e adultos.
VIVA JOÃO CARLOS MARINHO!


                                        CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

O SABIÁ E A MENINA de BETH TIMPONI e MAURIZIO MANZO (LANÇAMENTO da CRIVO EDITORIAL - SELO CRIVINHO)

                                             SITE DA EDITORA: www.crivoeditorial.com                                              
                             FACEBOOK DA EDITORA: facebook.com/crivoeditorial


INDICAÇÃO: a partir de 8 anos (leitor em processo)

24 PÁGINAS


=======================================================================

De  repente,  uma  estranha  situação  acontece  e  evoca a Poesia.  A menina
Ditinha tenta explicar que o  rabo do  sabiá não cabe na gaiola. Naturalmente,
o sabiá quer liberdade, quer bater as asas e ganhar o mundo, mas está preso
entre as grades de uma  gaiola de tamanho bem pequeno.

A Vó Zita, ao ouvir a  explicação de  Ditinha, busca, na  memória, os versos de
uma antiga canção sobre um sabiá, que fugiu da gaiola e voou, voou...e sobre
uma menina, que, por este motivo, chorou, chorou... 

 A estória da canção se repete na vida do sabiá de Ditinha assim:
                                         
                                            Era uma vez um Sabiá
                                            que vivia cercado de grades,
                                            mal conseguindo andar.

                                            Nem arrumava amiguinho
                                            porque passarinho conversa
                                            é quando voa no ar.
                                                 
                                            Triste e calado
                                            em seu canto,
                                            Sabiá começou a pensar:

                                            Gosto muito da menina,
                                            mas assim não consigo viver.
                                            Sinto falta de tanta coisa!
                                            De areia, de pedra, de folha.  
                                                                                                                                                

Os versos, que relatam a  estória do sabiá e da menina Ditinha,  centram-se 
no ponto de vista do pássaro sobre  o estar livre das grades  de uma gaiola
pequena,  sobre  a liberdade de fazer as suas escolhas e  sobre a felicidade
de estar em contato com a natureza.

E Ditinha? Como enfrentará a fuga do seu sabiá?

livro O SABIÁ E A MENINA de Beth Timponi, com ilustrações  de Maurizio
Manzo, traz uma estória sensível sobre amizade, liberdade e sobre o ir atrás 
do que se acredita.



ILUSTRAÇÕES / PROJETO GRÁFICO:


Algumas observações sobre as ilustrações e projeto gráfico do livro:

- As  ilustrações  de  Maurizio  Manzo,  para  o  livro  O  SABIÁ E A MENINA, são
  criativas e ao mesmo tempo poéticas. Na criação, o artista  faz uso  de técnica
  mista.

- Editado num formato diferenciado - 15 x 30, o livro tem o texto bem distribuído
  pelas suas páginas e ilustrações de grandes proporções, que ocupam páginas
  duplas; 

- Com muito bom  gosto, o ilustrador faz a escolha das  cores, dos cortes e dos
  ângulos dos desenhos com que apresenta a estória;

- É  muito interessante  observar a  diagramação  em  algumas  páginas do livro.
  Maurizio Manzo, que também assina o projeto gráfico,  utiliza:  fonte diferente /
  alinhamento e tamanho variados / efeito de movimento;

-  Ausência de numeração das páginas.    

- A narrativa visual, criada por Maurizio Manzo, para o livro O SABIÁ E A MENINA,
  instiga a imaginação do pequeno leitor e o convida, também, a voar bem alto.             




OS AUTORES:

sexta-feira, 14 de julho de 2017

LANÇAMENTO da EDITORA PAULINAS: AUMENTEI, MAS NÃO MENTI de ANTONIO JURACI SIQUEIRA / XILOGRAVURAS DE NENA e SILVIO BORGES

                                      SITE DA EDITORA: www.paulinas.org.br


INDICAÇÃO: a partir de 12 anos (leitor crítico)

38 PÁGINAS

=====================================================================

O premiadíssimo autor ANTONIO JURACI SIQUEIRA, natural do estado do Pará,
na capa do seu livro, já avisa:  AUMENTEI, MAS NÃO MENTI  e no miolo do livro
apresenta duas narrativas-poéticas, bem ao estilo do Cordel:
- O MITO DA CRIAÇÃO DA NOITE
- O MITO DA CRIAÇÃO DOS RIOS DA ILHA DO MARAJÓ. 


ANTONIO  JURACI  SIQUEIRA  escreveu a primeira narrativa - O Mito da Criação
da Noite em sextilhas heptassilábicas, no esquema de rimas - xaxaxa. A história
foi coletada da  cultura dos  povos Tupi. Sabe-se que ela foi publicada,  em 1935,
pelo general Couto de Magalhães, no livro O Selvagem.

Aqui, em AUMENTEI, MAS NÃO MENTI, ANTONIO JURACI SIQUEIRA desenvolve
esta  história,  ao seu jeito,  para  mostrar  como  a noite surgiu  com  seu manto 
escuro, para cobrir a face do sol. Naquele tempo, a noite ainda não existia.


                                       Cá estou de pena em punho
                                       nas brenhas do imaginário,
                                       nas matas densas do verbo,
                                       refém do vocabulário,
                                       para contar uma história
                                       de um passado extraordinário.

                                       Uma história fabulosa,
                                       cheia de ação e magia,
                                       quando o Tempo era menino
                                       e o real e a fantasia
                                       desfilavam de mãos dadas
                                       na passarela do dia. 

                                       Essa lenda foi contada
                                       pelos nossos ancestrais
                                       e diz de um fato assombroso
                                       no reino do nunca mais,
                                       tempo em que o dia reinava
                                       sozinho sobre os mortais.
                                                                                                                                                 

Em 33  estrofes, o  autor apresenta  um texto, de forma fantasiosa  e, ao mesmo
tempo, com uma  forte carga  poética.  A narrativa  traz  embutida  a  história  da 
filha  da  Cobra  Grande. Ela  se casou, mas  disse  ao  marido, que  para amá-lo,
queria  o véu  escuro da  noite. Exigiu, que  ele mandasse  buscar  a  noite,  pois 
queria muito  trocar a  claridade  do dia pelo  esplendor  do luar. O marido  pediu
que 3 servos  procurassem  a Cobra Grande, mãe  de  sua esposa. Ela  guardava
a noite adormecida, por anos a fio, num coco de tucumã, nas profundezas do rio.
A missão dependia de sorte e  obediência, mas  a curiosidade dos  servos botou
tudo a perder.  O que será que aconteceu? Você, leitor, não pode nem imaginar.

====================================================================

O  Mito da Criação dos  Rios  da Ilha do Marajó  foi  relatado  pelo  índio  Aruã, o
Severino dos Santos, em 1783, ao  naturalista  Alexandre  Rodrigues  Ferreira. Esta
narrativa é recontada, aqui,  pelo autor  ANTONIO  JURACI  SIQUEIRA, em  setilhas
heptassilábicas, no  seguinte esquema  de  rimas:  xaxabba, como  nos versos dos
folhetos de Cordel.

A  história  contada, em  29 estrofes,  explica  que, há  muito tempo atrás, a  ilha do
Marajó não possuía nem nome,  nem rios e  nem igarapés. A  ilha  só  tinha mesmo
um lago gigante. Em versos,  o  autor  pede  que  todos  embarquem  na  iguara  do
Severino para que possam realizar  uma  viagem  ao  passado. É  lá, que os leitores
irão descobrir de que maneira os rios da ilha do Marajó surgiram.

                                        Um dia, o velho Aruã,
                                        sentindo-se triste e só,
                                        contou ao sábio esta lenda
                                        ouvida de sua avó,
                                        que fala do nascimento,
                                        num fabuloso momento,
                                        dos rios do Marajó.

                                        Portanto, eu peço que todos,
                                        adulto, velho ou menino,
                                        de olhos fechados embarquem
                                        na igara do Severino
                                        e sigam rumo ao passado,
                                        atrás de um mundo encantado,
                                        entre o lúdico e o divino.

=====================================================================

Ao final do livro, o leitor encontrará um GLOSSÁRIO, que lista, em ordem
alfabética, doze  palavras, algumas  de origem  indígena, como: BOIOÇU,
BOIUNA,  CUNHÃ,  EMBIRA,  IGARA...  Este  apêndice tem  o objetivo  de
facilitar, para o leitor, o entendimento dos textos. 


AS XILOGRAVURAS:



Nas xilogravuras de  NENA BORGES e  SILVIO BORGES, os  leitores, de
AUMENTEI,  MAS  NÃO MENTI,  poderão, também, como  nos versos  de
ANTONIO  JURACI  SIQUEIRA,  constatar  a  aura mágica da  fantasia do
imaginário popular.

As ilustrações, em preto sobre fundos de páginas em colorido forte, são
um grande destaque do livro. O recurso utilizado é impactante e valoriza
visualmente os textos de ANTONIO JURACI SIQUEIRA.


OS AUTORES:



sexta-feira, 7 de julho de 2017

LANÇAMENTO: TOMBOLO DO LOMBO de ANDRÉ NEVES (EDITORA PAULINAS)

                                        SITE DA EDITORA: www.paulinas.org.br


COLEÇÃO: ESPAÇO ABERTO

INDICAÇÃO: a partir de 3 anos (leitura compartilhada)  /  a partir de 6 anos
(leitor iniciante)

32 PÁGINAS

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Para escrever e ilustrar o livro TOMBOLO DO LOMBO, André Neves foi buscar
inspiração na cantiga popular Tangolomango - uma espécie de  parlenda com
estrutura cumulativa decrescente e no Bumba meu boi - manifestação cultural
brasileira, em torno da morte e ressurreição de um boi. 


                          ESTA É UMA HISTÓRIA
                              COM LÍNGUA COMPRIDA,
                                     BOI DA CARA PRETA,
                                            BOI DA ROUPA ESQUISITA.

 
                      QUE BOI É ESSE, MINHA GENTE?
                                        ANIMADO, SÓ QUER DANÇAR.
                                  CHAMOU NOVE MÚSICOS
                        PARA A FESTA COMEÇAR.


                            MAS UM DELES DESEJOU
                            COMER A LÍNGUA DO BOI.
                              TOMBOLO DO LOMBO
                      VAMOS DESCOBRIR QUEM FOI?

                            O TAMBORIM DO CORONEL
                       DESAFINA UM TOM AFOITO,
                               TOMBOLO DO LOMBO
                            DOS NOVE FICARAM OITO.



E assim, vai sendo contada a história dos 9 músicos, que  participam da  festa...

A brincadeira com a sonoridade das palavras e as  referências  às cantigas e às
parlendas são  um convite  a  realização  de  uma  leitura  ritmada, favorecendo,
também, uma saborosa recitação cantada.

André Neves se renova a cada livro que  lança, com  recursos  inesperados. Por
exemplo:  aqui, o leitor tem  que virar  o livro de  ponta cabeça  para  ler  o  texto
e  apreciar  as  ilustrações. TOMBOLO  DO  LOMBO  ganha movimento  a cada

página  virada,  pois o  texto,  a ser lido e as  ilustrações estarão  sempre  numa 
posição diferente.

Num projeto gráfico curioso e cuidadoso, André Neves faz o  leitor  acompanhar
a dança do Bumba meu Boi, ao mesmo tempo, que os personagens  vão caindo

um a um do lombo do boi, até restar apenas um.

Os  textos  encadeados  se fecham  em um círculo, mas a  diversão não  acaba,
quando  restar  apenas um  personagem, porque  a  brincadeira  continua. Você
acredita?

O texto curto, rimado e ritmado, em caixa alta, foi  escrito para propor, num jogo
com  as  palavras,  uma  brincadeira  pra  lá  de  divertida:  descobrir   qual   dos
personagens  quer  comer  a língua  do  boi. Este desafio  é  feito  para  os bem
pequenos, e também, para os adultos, por que não? Melhor dizendo, é um bom
desafio para todos os leitores de TOMBOLO DO TOMBO.


PREMIAÇÃO:

       O LIVRO TOMBOLO DO LOMBO DE ANDRÉ NEVES (EDITORA PAULINAS)
ESTÁ ENTRE OS 30 MELHORES LIVROS INFANTIS DO ANO DE 2017, PRÊMIO
REVISTA CRESCER.

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

AS ILUSTRAÇÕES:


                                            CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

   Algumas observações sobre o projeto gráfico e as ilustrações do livro:

- As ilustrações de ANDRÉ NEVES despertam a atenção do  leitor desde  a capa
  do livro. Na capa, as letras 'envernizadas' contrastam com o acabamento fosco
  do fundo da página e da ilustração.

- As ilustrações do miolo do livro, na sua maioria, ocupam páginas duplas do livro.

- O projeto gráfico, também, assinado por ANDRÉ NEVES, é  muito  expressivo e
  se revela como a grande atração do livro.

- A diagramação do título e de frases, do  miolo do livro, dão  destaque a algumas 
  palavras do texto, como:  OLHA A CHUVA / TOMBOLO DO LOMBO, expressão
  repetida diversas vezes.

- Fontes diferentes, de tamanhos diversos, o alinhamento e a distribuição do texto
  nas páginas, a intenção de criar  efeitos  de  movimento,  os  espaçamentos  são
  alguns dos recursos explorados pelo artista.
  
- O fundo branco, na maioria das páginas, dá ênfase ao colorido das imagens.

- A  caracterização dos  personagens instiga o leitor e amplia  o seu imaginário.

- As páginas do livro TOMBOLO DO LOMBO não  são  numeradas. A  intenção
  do autor é ratificar a ideia de encadeamento dos textos e de continuidade.

- A narrativa visual do livro TOMBOLO DO LOMBO reserva para o leitor, a cada
  página virada, uma boa surpresa. Vale conferir.


                                              CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

O AUTOR:


                                          CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA