sexta-feira, 18 de agosto de 2017

OFICINA DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS COM ILANA POGREBINSCHI: A VOZ DA PALAVRA (RIO DE JANEIRO)


CONTAÇÃO DE HISTÓRIA COM ILANA POGREBINSCHI: CONTOS DO ORIENTE - no SESC TIJUCA (RIO DE JANEIRO)


VOCÊ ESTÁ CONVIDADO PARA O LANÇAMENTO DO LIVRO: DEU ZEBRA NO ABC de FERNANDO VILELA (EDITORA PULO DO GATO) - SÃO PAULO


ASSISTA AO VÍDEO: O AUTOR FERNANDO VILELA FALA SOBRE O LIVRO 
DEU ZEBRA NO ABC ( EDITORA PULO DO GATO)

LANÇAMENTO DO LIVRO DE IMAGENS: AO MAR de WALTER ONO (EDIÇÕES NA LUA) + OFICINA DE ORIGAMI na LIVRARIA NOVE.SETE (SÃO PAULO)

                                        CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA          


PROGRAMAÇÃO: OFICINA DE ORIGAMI COM
VIVIAN BRAGA

                                     SITE DA EDITORA: www.edicoesnalua.com.br
                FACEBOOK: https://pt-br.facebook.com/walteronodesign/

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

VOCÊ ESTÁ CONVIDADO PARA O LANÇAMENTO DO LIVRO: LAMPIÃO E O VOVÔ DA VOVÓ NA CIDADE DE MOSSORÓ de MARCELA FERNANDES DE CARVALHO na LIVRARIA ARGUMENTO (RIO DE JANEIRO)


LANÇAMENTO: LAMPIÃO E O VOVÔ DA VOVÓ NA CIDADE DE MOSSORÓ de MARCELA FERNANDES DE CARVALHO (SELO ESCRITA FINA - GRUPO EDITORIAL ZIT)

                                     SITE DA EDITORA: https://ziteditora.com.br

INDICAÇÃO: a partir de 10 anos (leitor fluente)

88 PÁGINAS

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

A  história "LAMPIÃO E O VOVÔ DA VOVÓ NA CIDADE DE  MOSSORÓ", escrita e 
ilustrada, com  desenhos  bordados, por  MARCELA FERNANDES DE CARVALHO
aconteceu a partir de uma outra história, que relata um episódio em que  Lampião
e seu bando são expulsos da cidade de Mossoró, pela resistência da população e
pela defensiva orquestrada pelo prefeito Rodolfo Fernandes. 

Esta narrativa recriada  pela  autora, com  graça  e  muito  colorido,  aconteceu  de
verdade, no ano de 1927.  Naquela época, todos tinham muito medo de Lampião, o
Rei do  Cangaço, mas  o  povo da cidade  de Mossoró  não  se  deixou  intimidar  e
enxotou Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, da cidade potiguar. 



Antes de dormir, a menina pede uma 'história de verdade'.  A mãe, então, recorre 
uma história, que começa na árvore genealógica da  família, vai  seguindo rumo ao 
sertão, vira versos e cantoria e chega até Lampião, o célebre e temido cangaceiro. 

      "-Era uma vez, há muitos e muitos  anos, no tempo dos  avós de seus avós,
        a menos de mil  milhas daqui, um  povo muito valente. De todo lado o que
        havia era gente brotando pra naqueles cantos de mundo habitar. E faziam
        festa.  E nasciam  meninas  e meninos  (sem eles  não  tinha  histórias pra
        contar).

        Olhei pra menina e  sorri. Tomei  fôlego e continuei baixinho pro bebê não
        acordar.

        -Em  nossa  história,   bem  nos  interiores  do  Brasil,   encontramos   dois           
          personagens   principais.  O  nome  de   um  deles  bordei  na  sua  árvore 
         genealógica. O encontro dos dois é um causo que vem sendo contado faz
         uns  90  anos na forma  de  verso,  em  literatura  de  cordel, em  teatro, na
         forma de canção e também em livro sem ficção.
  
         Lembrei dos tantos cantadores que  contam o  Nordeste em verso. Se não
         fosse tarde, até pegava o violão..."

E foi assim, de mãe pra filha, que esta história foi contada e, agora , é recontada.



LAMPIÃO E O VOVÔ DA VOVÓ NA CIDADE DE MOSSORÓ é uma narrativa sobre
luta, coragem e resistência; sobre homens determinados e destemidos;  sobre o
sertão e a caatinga, sobre famílias e sobre o passado, presente e futuro. 


ILUSTRAÇÕES:                                    
                                           CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA
 
                                            CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


A AUTORA:

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

NESTE SÁBADO, CONTOS DO ORIENTE NA LIVRARIA NOVE.SETE (SÃO PAULO)


PROGRAMAÇÃO:
Contos do Oriente com a Cia LUARNOAR

HISTÓRIAS:
Tanabata  - Os  atores unem narrativa e encenação, emoldurando a história
com músicas do cancioneiro japonês.


Festa no Mar - O conto tradicional japonês traz a versão popular do porquê
a tartaruga tem o casco quebradinho.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

PARTICIPE DO PRÊMIO RETRATOS DA LEITURA - 2017 (INSTITUTO PRÓ-LIVRO)




PRÊMIO RETRATOS DA LEITURA 2017 (2ª edição)

OBJETIVO
O  INSTITUTO  PRÓ-LIVRO (IPL) está premiando os melhores projetos de fomento
à leitura em todo Brasil. O objetivo é conhecer, mapear, fazer intercâmbio e difundir 
os projetos que promovem a leitura.

O INSTITUTO PRÓ-LIVRO  assumiu  uma missão desafiadora: transformar o Brasil
num país leitor.

ABRANGÊNCIA 
O "PRÊMIO RETRATOS DA LEITURA" tem abrangência nacional e terá edição anual.

REGULAMENTO:
As diretrizes e orientações detalhadas sobre o Prêmio estão definidas no regulamento.
VISITE A PLATAFORMA PRÓ-LIVRO PARA CONHECER O REGULAMENTO.

QUEM PODE CONCORRER 
. empresas da cadeia produtiva do livro;
. organizações sociais (ONGs);
. mídia (rádio, TV, cinema, jornais, revistas, mídias digitais);
. bibliotecas públicas e comunitárias.

1ª ETAPA:
CADASTRE E DIVULGUE O SEU PROJETO NA PLATAFORMA PRÓ-LIVRO.

2ª ETAPA:
INSCRIÇÕES 
Depois do cadastramento na PLATAFORMA PRÓ-LIVRO, faça a sua inscrição.

PERÍODO DE INSCRIÇÕES PARA O PRÊMIO IPL - RETRATOS DA LEITURA (2017)
AS INSCRIÇÕES SERÃO ABERTAS NO MÊS DE AGOSTO (FIQUE ATENTO!)

PRÊMIO
Troféu - A Organização premiada e o responsável pelo projeto receberão o troféu do
prêmio. Não haverá prêmio em dinheiro.

FINALISTAS
Os finalistas serão informados em outubro de 2017.

PREMIAÇÃO RETRATOS DA LEITURA 2017
A premiação deverá acontecer em evento previamente divulgado, preferencialmente
no mês de novembro.


CONSULTE A PLATAFORMA PRÓ-LIVRO:



COMO FAZER A INSCRIÇÃO:

ASSISTA AO VÍDEO SOBRE O PRÊMIO RETRATOS DA LEITURA, PREPARADO
PELO INSTITUTO PRÓ-LIVRO:



=======================================================================
SOBRE O INSTITUTO PRÓ-LIVRO:

INSTITUTO PRÓ-LIVRO (IPL), foi criado no final de  2006 pelas entidades do livro -
Abrelivros, CBL e SNEL, com  o objetivo principal de fomento à leitura e à difusão do 
livro.Iniciou suas atividades em 2007. 

Atualmente,  é mantido  pelas entidades fundadoras e por contribuições  voluntárias de editoras. As entidades do livro, representando a cadeia  produtiva, fundaram o  Instituto
Pró-Livro assumindo o compromisso de responsabilidade social junto a  representantes
do governo e sociedade civil, para a promoção de ações de fomento à leitura, orientado
pela missão de transformar o Brasil em um país de leitores. 


O IPL realiza, periodicamente, a pesquisa  RETRATOS  DA LEITURA do Brasil, maior e
mais completo estudo sobre o comportamento do leitor brasileiro, para  avaliar impactos,
orientar políticas  públicas  do livro e da  leitura, promover a reflexão e estudos sobre os 
hábitos de leitura do brasileiro  e, desta  forma, melhorar  os indicadores  de  leitura  e o
acesso ao livro.

CONHEÇA O SITE DO INSTITUTO PRÓ-LIVRO:

POR QUE O BRASILEIRO LÊ TÃO POUCO?


Entendo que são muitos os motivos e,  de certa forma, se relacionam:

A escola não tem  conseguido formar  leitores  para  sempre. Apesar de 
ler mais que  o brasileiro em geral, enquanto  estudante, nossos jovens
leem  principalmente  para  cumprir com  uma tarefa  escolar. Leem por
obrigação  e não  porque  foram  despertados  para  o prazer da  leitura.
Deixam de ler quando saem da escola.

Formar o hábito e despertar o gosto  pela leitura  depende  das práticas
leitoras  realizadas  no ambiente  escolar.  Infelizmente,  temos  poucos
professores   leitores   e   que   desenvolvem   ações   mobilizadoras   e
interessantes em sala de aula.

A mediação é fundamental para despertar em nossos jovens o interesse
pela leitura, principalmente porque, o tempo para a leitura concorre hoje
com o tempo nas redes sociais, nos games e outras ferramentas digitais.

A   leitura   de   literatura   é  pouco  valorizada.   Apesar  de reconhecer a
importância da leitura, o brasileiro prefere  usar seu tempo  livre para ver
televisão ou ficar nas redes sociais. A leitura exige concentração e é uma
atividade solitária. A  cultura digital e o  compartilhamento  contínuo  das
emoções  e  vivências  criaram  uma   nova  forma  de   relacionamento e
promoção  social  que   não  discrimina  e   é  muito  envolvente   criando
celebridades instantâneas; mas que rouba todo o tempo da leitura.


sexta-feira, 28 de julho de 2017

VOCÊ NÃO PODE PERDER O LANÇAMENTO DA EDITORA DO BRASIL : CLARO, CLEUSA.CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA (SÃO PAULO)



LANÇAMENTO:
CLARO, CLEUSA.
CLARO, CLÓVIS.
texto e ilustrações: RAQUEL MATSUSHITA
Editora do Brasil
40 PÁGINAS

LOCAL:
LIVRARIA NOVE.SETE
rua França Pinto, 97 Vila Mariana
São paulo / SP

DIA / HORÁRIO:
29 de JULHO de 2017 das 15h às 18h

PROGRAMAÇÃO:
Presença da autora RAQUEL MATSUSHITA e atividades para crianças

CLARO, CLEUSA. CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA - LANÇAMENTO DA EDITORA DO BRASIL



INDICAÇÃO: a partir 5 anos (pré-leitor) leitura compartilhada / 
a partir de 6 anos (leitor iniciante)

40 PÁGINAS

=====================================================================

O livro CLARO, CLEUSA. CLARO, CLÓVIS. de RAQUEL MATSUSHITA,  publicado
pela  EDITORA  DO  BRASIL  é  um  livro  pra  lá  de  diferente,  pois  possui  uma
linguagem visual muito criativa e lúdica. 

Você é capaz de imaginar isto? A autora  usou figuras  geométricas  para criar os
personagens da história. Leitor, já pensou, alguma vez, numa história que fala da
da amizade entre um triângulo e um quadrado? Ah, segundo a autora, na história,
não há a intervenção de adultos.  Os personagens  (triângulo, quadrado e círculo)
são crianças.

No  livro  de  RAQUEL  MATSUSHITA,  CLEUSA  é  um  triângulo  e  CLÓVIS  é  um
quadrado e têm uma amizade perfeita. Mas, um dia, CLÓVIS  fica  doente  e surge,
então, uma  outra  personagem, chamada  CATARINA  (um círculo).  A chegada de
CATARINA trará problemas para a amizade de CLEUSA  E  CLÓVIS. De que forma,
os personagens irão vivenciar os conflitos que surgiram?

O  que será que estas figuras geométricas (triângulo, quadrado e círculo)  poderão 
nos ensinar sobre a amizade, o relacionamento interpessoal e sobre as diferenças?


ILUSTRAÇÕES / PROJETO GRÁFICO:


                                          CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA




                                            CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


A AUTORA:

terça-feira, 25 de julho de 2017

JOSEFINA QUER SER BAILARINA de CLAUDIA SOUZA e ALEXANDRE RAMPAZO (EDITORA DO BRASIL)

                                        SITE DA EDITORA: www.editoradobrasil.com.br

INDICAÇÃO: a partir de 8 anos (leitor em processo)

32 PÁGINAS

                                     SOMOS DO TAMANHO DA NOSSA FANTASIA.
                                                            Bartolomeu Campos de Queirós

=====================================================================

Neste livro, escrito por CLAUDIA  SOUZA e ilustrado por  ALEXANDRE  RAMPAZO,
vamos  conhecer   Josefina,   uma  menina,  que  passou  a pedir,  insistentemente,
para seus familiares: - Eu quero ser bailarina!
    
                          Há mais ou menos três meses, Josefina vinha pedindo
                           insistentemente pra "ser bailarina".
                           O pai dizia:
                           - Mas aqui perto de casa não tem nenhuma escola
                           de balé, Josefina!
                           A mãe dizia:
                           - Não tenho dinheiro agra pra pagar um curso
                           de balé pra você, Josefina!
                           A avó dizia:
                           - Essa menina vai ficar muito cansada, tão pequena
                           e já vai à escola, imagina se ainda tiver aula de balé.
                           O tio dizia:
                           - Melhor colocar num curso de inglês.
  
A  notícia  causou  um  certo  alvoroço  na  família  e levou  a  um  questionamento:
Josefina não teria mesmo um raro talento para dança?

Apostando na  ideia de  Josefina possuir, mesmo, o  talento para o balé,  os pais da
menina a matricularam em escolas especializadas, mas de nada adiantou. Josefina
não  fazia  as  atividades propostas  pelas  professoras  e por  isto,  não  conseguiu
aprender a dançar.

Por que,  então, Josefina  continuou  querendo  ser  bailarina?  É interessante, caro
leitor, observar como Josefina vê a vida e o que espera dela.

A vida é assim mesmo. Compreender o que acontece a nossa volta  e dentro de nós
mesmos é  muito  difícil. A  história de  Josefina  mostra isto. O que somos? O  que
queremos ser? Se  quisermos,  podemos  inventar ser  até quem  não somos. Basta 
lançar mão da imaginação. Se deixarmos o nosso imaginário  ocupar todo o espaço
da nossa fantasia,  podemos  ser o que não  somos: mágico, atriz, cantora, inventor,
poeta, cientista, astronauta ou bailarina como Josefina.  Por que não?


PROJETO GRÁFICO / ILUSTRAÇÕES:

                                             CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


Algumas considerações a respeito do projeto gráfico e das ilustrações:


ALEXANDRE  RAMPAZO  assina  o projeto gráfico e as ilustrações do livro
escrito por CLAUDIA SOUZA. 

A  narrativa  visual, de JOSEFINA  QUER SER  BAILARINA, vale  como uma
segunda história e revela  'vazios' que  devem ser  preenchidos  pelo  leitor.

As páginas  esquerdas  do  livro  se  contrapõem com  as  do  lado  direito:


- As ilustrações do lado esquerdo  representam o mundo dos adultos (pai /
mãe  / avó  /  tio /  professoras).  Eles  são  retratados,  pelo  ilustrador,  em 
tamanho pequeno, sobre fundos coloridos de páginas.

 - Já as páginas, do lado direito do  livro, foram reservadas  para  retratar o
mundo da personagem Josefina, que, em tamanho grande, rabisca passos
de balé , sobre o fundo branco das páginas.

ALEXANDRE RAMPAZO confidenciou à escritora CLAUDIA SOUZA, que foi

buscar,  no  pintor   impressionista  francês   Edgar   Degas  (1834  /  1917),
inspiração para criar as muitas ilustrações deste livro, retratando  Josefina
como  bailarina.  Degas usou  o tema  da  dança  em  grande  parte  de  seu
trabalho.

O projeto gráfico e as ilustrações são uma atração inegável e abrem espaço 
para o encantamento.

As  criativas  soluções  gráficas  encontradas,  por  ALEXANDRE  RAMPAZO, 
para este projeto, tornaram o texto do livro JOSEFINA QUER SER BAILARINA
muito mais atraente.





OS AUTORES:


     ASSISTA AO VÍDEO PREPARADO PELA EDITORA DO BRASIL E CONHEÇA
CLAUDIA SOUZA,  A AUTORA DO  LIVRO "JOSEFINA QUER SER BAILARINA". 




quarta-feira, 19 de julho de 2017

IMPERDÍVEL! ENCONTRO COM O ESCRITOR JOÃO CARLOS MARINHO NA LIVRARIA MARTINS FONTES PAULISTA (SÃO PAULO)

                                           CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA


JOÃO  CARLOS  MARINHO  escreve seus livros especificamente para crianças 
de 8 a 12 anos. Sua obra é  considerada referência  na renovação da Literatura
Infantojuvenil brasileira dos anos 70, e ainda hoje, continua a deliciar crianças
e adultos.
VIVA JOÃO CARLOS MARINHO!


                                        CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

O SABIÁ E A MENINA de BETH TIMPONI e MAURIZIO MANZO (LANÇAMENTO da CRIVO EDITORIAL - SELO CRIVINHO)

                                             SITE DA EDITORA: www.crivoeditorial.com                                              
                             FACEBOOK DA EDITORA: facebook.com/crivoeditorial


INDICAÇÃO: a partir de 8 anos (leitor em processo)

24 PÁGINAS


=======================================================================

De  repente,  uma  estranha  situação  acontece  e  evoca a Poesia.  A menina
Ditinha tenta explicar que o  rabo do  sabiá não cabe na gaiola. Naturalmente,
o sabiá quer liberdade, quer bater as asas e ganhar o mundo, mas está preso
entre as grades de uma  gaiola de tamanho bem pequeno.

A Vó Zita, ao ouvir a  explicação de  Ditinha, busca, na  memória, os versos de
uma antiga canção sobre um sabiá, que fugiu da gaiola e voou, voou...e sobre
uma menina, que, por este motivo, chorou, chorou... 

 A estória da canção se repete na vida do sabiá de Ditinha assim:
                                         
                                            Era uma vez um Sabiá
                                            que vivia cercado de grades,
                                            mal conseguindo andar.

                                            Nem arrumava amiguinho
                                            porque passarinho conversa
                                            é quando voa no ar.
                                                 
                                            Triste e calado
                                            em seu canto,
                                            Sabiá começou a pensar:

                                            Gosto muito da menina,
                                            mas assim não consigo viver.
                                            Sinto falta de tanta coisa!
                                            De areia, de pedra, de folha.  
                                                                                                                                                

Os versos, que relatam a  estória do sabiá e da menina Ditinha,  centram-se 
no ponto de vista do pássaro sobre  o estar livre das grades  de uma gaiola
pequena,  sobre  a liberdade de fazer as suas escolhas e  sobre a felicidade
de estar em contato com a natureza.

E Ditinha? Como enfrentará a fuga do seu sabiá?

livro O SABIÁ E A MENINA de Beth Timponi, com ilustrações  de Maurizio
Manzo, traz uma estória sensível sobre amizade, liberdade e sobre o ir atrás 
do que se acredita.



ILUSTRAÇÕES / PROJETO GRÁFICO:


Algumas observações sobre as ilustrações e projeto gráfico do livro:

- As  ilustrações  de  Maurizio  Manzo,  para  o  livro  O  SABIÁ E A MENINA, são
  criativas e ao mesmo tempo poéticas. Na criação, o artista  faz uso  de técnica
  mista.

- Editado num formato diferenciado - 15 x 30, o livro tem o texto bem distribuído
  pelas suas páginas e ilustrações de grandes proporções, que ocupam páginas
  duplas; 

- Com muito bom  gosto, o ilustrador faz a escolha das  cores, dos cortes e dos
  ângulos dos desenhos com que apresenta a estória;

- É  muito interessante  observar a  diagramação  em  algumas  páginas do livro.
  Maurizio Manzo, que também assina o projeto gráfico,  utiliza:  fonte diferente /
  alinhamento e tamanho variados / efeito de movimento;

-  Ausência de numeração das páginas.    

- A narrativa visual, criada por Maurizio Manzo, para o livro O SABIÁ E A MENINA,
  instiga a imaginação do pequeno leitor e o convida, também, a voar bem alto.             




OS AUTORES: