sábado, 31 de outubro de 2015

NO CAFUNDÓ DAS ESTRELAS DE SERGIO NAPP E ANELISE ZIMMERMANN (EDITORA PAULINAS)

                                         SITE DA EDITORA: www.paulinas.org.br

INDICAÇÃO: a partir de 10 anos (leitor fluente)
      
32 PÁGINAS

                                                       "NÃO DEVES ACREDITAR NAS RESPOSTAS.
                                                                    AS RESPOSTAS SÃO MUITAS 
                                                  E A TUA  PERGUNTA É ÚNICA E INSUBSTITUÍVEL."
    
                                                                                    MÁRIO QUINTANA - Caderno H                                                       
_________________________________________________________________________

Este livro é simplesmente lindo!


O  título do  livro "NO  CAFUNDÓ  DAS  ESTRELAS",  escrito  por  SERGIO  NAPP,
estimula a imaginação, 'põe asas' no leitor: Onde fica o cafundó das  estrelas? Você,
por acaso, sabe? Afinal, que lugar é esse? Como se chega lá?

O leitor, assim como o poeta, não faz mais do que indagar-se para tentar desvendar
os sentidos possíveis de tudo que o cerca.

No poema-pergunta, que o autor apresenta na capa do livro, ele fala da poesia com
muita poesia e quer saber onde ela mora.
                                                                                                                                            
                                                     ONDE MORA A POESIA

                                                     nos cotovelos do tempo
                                                     nos despertares da lua

                                                     nas canções das cigarras
                                                     embevecidas de estrelas

                                                     no salso ao beijar o rio
                                                     nas tardes de amor-perfeito

                                                     na pororoca de abraços 
                                                     quando se encontram rio e mar

                                                     no lusco-fusco do dia
                                                     beirando o anoitecer

                                                     nos cantares do galo
                                                     dando à luz a madrugada

                                                     ou nos olhos de mel
                                                     da menina que tece futuros
                                                     ao longo do amanhecer?

Na verdade, o poeta  quer saber tudo sobre os possíveis  sentidos da  vida, que
se escondem nas perguntas. Ele quer, também, dominar as palavras, para que
através delas, possa tecer seus versos. Por isto, ele não se cansa de perguntar.
O objetivo é acordar as emoções para tocar o coração do leitor.

Chama a atenção, em página dupla, o sumário do livro, que mostra, de maneira
muito criativa, o  título dos 14  poemas que  foram  reunidos por SERGIO NAPP.

O tema infância  alinhava todos os poemas do livro. São eles:
foi  assim / havia  uma  figueira  enorme... / bicicletas / pra  onde  essa  estrada /  
túnel verde I, II, III / rio e sol /é sempre outro.../no cafundó das  estrelas / canção
do arco-íris / sete  tesouros  / teus  olhos / o  mar / pássaros  do  dia  de  verão /
de barco e menino.

Estes  poemas resgatam nas crianças a fantasia, o encantamento, e também, a
possibilidade de brincar com as palavras e ideias.

"NO  CAFUNDÓ  DAS  ESTRELAS" é mesmo um livro cheio de perguntas. Elas 
se espalham pela capa e pelas páginas do livro, como  um fio condutor, como se
uma pergunta levasse a uma outra pergunta. 


Olhando  a  vida, através  dos  versos  de  SERGIO NAPP, o  leitor poderá abrir 
caminho para a imaginação e procurar nas entrelinhas as muitas respostas para
todas as perguntas apresentadas no livro NO CAFUNDÓ DAS ESTRELAS.




Este foi o último livro escrito por SERGIO NAPP, que faleceu em maio deste
ano e deixou  muita saudade.


ILUSTRAÇÕES:

                                      CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA



ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS ILUSTRAÇÕES E DO
PROJETO GRÁFICO DO LIVRO:

- O traço da artista Anelise Zimmermann é lindo e único.

- O livro  NO  CAFUNDÓ  DAS  ESTRELAS foi ilustrado de forma atraente.
   As  ilustrações contribuem  muito para o tom lúdico e mágico do livro.

- Apostando na realidade e no sonho, as ilustrações mostram detalhes que
  as  palavras  dos  versos  de  Sergio  Napp  não  dizem, deixando, assim,
  espaços livres para que o leitor possa imaginar o que quiser. Vale a pena
  fazer a 'leitura' das imagens só para poder reparar nestes detalhes.

- Neste projeto, a artista usou, nas ilustrações, tinta acrílica e lápis de cor .

- O sumário, em página dupla, apresenta, de uma maneira muito criativa, os
  14 poemas do livro: cada estrelinha  azul, pendurada em um fio, apresenta
  o título de um poema.

- A diagramação inova e apresenta muitas surpresas aos  leitores: fonte de
  tamanhos e  cores  variadas em  algumas  'perguntas'  que servem  como
  um elemento de ligação entre os poemas. (ONDE ANDARÁ O MENINO-
  CORAÇÃO QUE SE PERDEU PELA NOITE EM BUSCA DO SONHO?) -
  por exemplo, liga  os poemas:  PÁSSAROS  DO  DIA  DE  VERÃO e  DE
  BARCO E MENINO.
  
- Diferentes efeitos de movimento nos títulos dos poemas chamam a atenção.
                                 
- Algumas  páginas  do livro receberam  abas, que quando abertas, formam
  grandes painéis ilustrados, com a possibilidade  de serem lidos de diversas
  formas.

- O belíssimo apêndice assinado por Caio Riter: CANTIGAS DO BEM OUVIR
  amplia a leitura dos poemas de Sergio Napp.

- As ilustrações e o projeto gráfico deste livro são simplesmente fantásticos!




                                           CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

                                      CLIQUE NA IMAGEM PARA AMPLIÁ-LA

O AUTOR:


A ILUSTRADORA:

DÊ LIVROS DE PRESENTE.

2 comentários:

Vânia de Cássia e Silva disse...

Cara Cristina,

Eu amo a literatura infanto juvenil!
Amo ler as obras bem feitas, aquelas que você percebe a sensibilidade do autor e do ilustrador. Admiro o empenho e o zelo que os profissionais envolvidos se propoe em cada livro.
Mas quando leio o que você escreve sobre determinado livro, fico ainda mais encantada, pois percebo qua o admirável pode ser ainda mais admirado aos olhos de uma especialista sensivel como você. Parabéns pela delicadeza do seu trabalho, que mais que trabalho é um dom!

Cristina Sá disse...

Vânia,
Grata pelo carinho de suas palavras.
beijo
Cristina